Revolucionando o empréstimo no Brasil
Use seu carro como garantia de novas conquistas
Use seu carro como garantia de novas conquistas
Economia

Com coronavírus, bancos aumentam taxas de juros para empresas

Apesar de medidas do governo para minimizar os efeitos negativos da pandemia para a economia, varejistas e empreendedores reclamam da dificuldade para obter empréstimos. Descubra os impactos para o empreendedor
Escrito por Elaine Ortiz em 08.04.2020 | Atualizado em 08.04.2020
  • 0 Likes

Além do aumento exponencial de infectados e mortos pelo coronavírus no Brasil, a pandemia do Covid-19 já apresenta efeitos negativos para o caixa de muitas grandes e pequenas empresas. Com o isolamento social, ocorreram mudanças nos hábitos de consumo da população e alguns setores sentiram fortemente os impactos deste comportamento. Muitas empresas já precisam recorrer a empréstimos para conseguirem arcar com suas despesas. O problema é que, mesmo com as ações do governo, conseguir crédito neste momento de crise não está mais fácil.

De acordo com entidades representantes do varejo, empresas de todos os tamanhos e setores estão enfrentando dificuldades para tomar empréstimos junto aos bancos. A reclamação é de que os juros estão sendo elevados até mesmo em casos de empréstimos que estavam perto de serem aprovados pelos bancos antes da crise.

Além disso, a prorrogação de prazos de pagamentos de parcelas que havia sido prometida pelos bancos brasileiros também não estaria sendo cumprida. Em alguns casos, o adiamento é condicionado a um aumento nas taxas de juros do empréstimo. A reclamação também passa pela maior exigência dos bancos de garantias para fornecer crédito, o que restringe ainda mais o acesso a esses empréstimos.

Por este motivo, a Associação Nacional de Shoppings Centers (Abrasce), o Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV), a Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), a Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB) e a Associação Brasileira de Franchising (ABF) enviaram uma carta ao Ministério da Economia e ao Banco Central para reclamar da situação. 

“Solicitamos atenção a despeito das medidas de injetar liquidez no sistema financeiro nacional, pois observa-se o aumento expressivo das taxas, com médias superiores a 50% e, alguns casos superiores a 70%, em operações habituais do varejo. Entendemos que num momento de crise, as medidas adotadas pelo Banco Central devam caminhar juntas com as instituições financeiras”, diz o documento.

A Febraban (Federação Brasileira de Bancos) afirma que as queixas das empresas são referentes a aumentos pontuais, e não refletem uma elevação generalizada nos juros. 

Leia também: Com coronavírus, vendas caem 16%. Quais setores serão mais afetados?

Quais os impactos para empreendedores?

Neste cenário, apesar das medidas do Banco Central, como o pacote para aumentar a liquidez da economia brasileira em até R$ 1,2 trilhão, incluindo a redução da taxa de depósitos compulsórios de 25% para 17%, o que deve liberar R$ 68 bilhões para os bancos emprestarem, muitas empresas estão correndo o risco de fecharem seus negócios. Isso inicia uma onda negativa para a economia, pois a consequência primeira da falência das empresas é o aumento do desemprego.

"O Governo Federal já apresentou várias medidas visando minimizar os impactos trabalhistas e tributários nesse período de dificuldade, contudo, muitas empresas não possuem dinheiro em caixa e vão precisar de recursos para manter as portas abertas e ter fluxo de caixa”, diz o diretor tributário da Confirp Consultoria Contábil, Richard Domingos. “Mas, a tomada de crédito deve ser alvo de uma análise prévia e de muito cuidado".

O especialista reforça que antes da tomada de crédito é preciso que a empresa faça uma avaliação sobre qual valor terá que solicitar para os próximos meses e também lembrar que deverá ter no futuro recursos para arcar com esses compromissos. Outro ponto fundamental é buscar linhas de créditos que ofereçam as melhores condições de pagamentos e menores taxas de juros.

Leia também: 10 linhas de crédito para empresas que você precisa conhecer

Como contornar a situação e manter as empresas em funcionamento?

Além das medidas e ações do governo junto ao Banco Central e das orientações dos especialistas de negociar empréstimos e fazer novos acordos em contratos de empréstimos que já estão em andamento, existem algumas linhas de crédito que podem ajudar o empreendedor neste momento de crise.

Algumas opções para as empresas são oferecidas pelo programa Desenvolve São Paulo e também pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Social. O crédito para folha de pagamento de MPMEs é uma delas. A linha do BNDES oferece financiamento de até dois salários mínimos por empregado, por dois meses. Trata-se de um crédito emergencial para empresas com faturamento anual entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões, exclusivamente para pagamento da folha de salários de funcionários, com taxa de juros é de 3,75% ao ano. 

Além dessas opções, outras instituições financeiras, como fintechs, também oferecem empréstimos para os empreendedores que precisam de apoio para a manutenção de suas empresas. Não deixe de pesquisar. 

Uma das principais orientações dos especialistas é evitar ao máximo recorrer a linhas de crédito como cheque especial e rotativo do cartão de crédito. Essa é uma orientação que, no Brasil, é válida mesmo antes da crise do coronavírus. No entanto, neste início de ano, de acordo com o Banco Central, a taxa média de juros do rotativo do cartão de crédito saltou de 155% para 193,97% ao ano entre janeiro e março. Em empréstimos para capital de giro, os juros chegaram a subir de 48,9% para 55,5% ao ano. 

Outra importante ação anunciada pelo governo essa semana é o Auxílio Emergencial, um benefício para trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados que será pago por três meses, para até duas pessoas por família. O valor começará a ser depositado entre 09 e 14 de abril. Quem tem direito de receber o benefício de 600 reais mensais durante o período da crise deve fazer a inscrição no site da Caixa ou no aplicativo.

Leia também: Quais os reflexos na economia com a crise do coronavírus no Brasil?

Foto: Roberto Parizotti/Fotos Públicas

Receba conteúdos exclusivos
Não perca nenhuma novidade, assine nossa newsletter.
Cadastro efetuado com sucesso!
Erro ao enviar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Preencha esse campo obrigatório.
Preencha esse campo obrigatório.
Selecione uma opção no menu suspenso.

 

Receba conteúdos exclusivos
Não perca nenhuma novidade, assine nossa newsletter.
Carregando...
  • 0 Likes
Elaine Ortiz

Escrito por Elaine Ortiz

Repórter do Portal Exponencial, com dez anos de experiência em redações de jornais e revistas. Acredita que informação de qualidade é capaz de fazer a diferença na vida das pessoas e que conhecimento financeiro tem tudo a ver com liberdade.

Comentários [0]

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentário enviado com sucesso!
Erro ao enviar comentário. Por favor, tente novamente.
Revolucionando o empréstimo no Brasil

Quem somos

As transformações do mundo exigem cada vez mais de nós. Mais funções, mais responsabilidades, mais conhecimento. Mais, mais e mais. Mas o que Creditas e Exponencial têm a ver com isso?

Somos movidos por fazer a diferença na vida das pessoas. Se vivemos o tempo das informações ilimitadas, é nossa função criar e filtrar diferentes conteúdos aos nossos leitores, para que o conhecimento financeiro deles cresça exponencialmente.

Exponencial. Informação é fonte de crescimento.

A Creditas é uma plataforma digital que atua como correspondente bancário para facilitar o processo de contratação de empréstimos. Como correspondente bancário, seguimos as diretrizes do Banco Central do Brasil, nos termos da Resolução nº. 3.954, de 24 de fevereiro de 2011.

Creditas Soluções Financeiras Ltda. é uma sociedade limitada registrada sob o CNPJ/MF 17.770.708/0001-24, com sede na Av. Engenheiro Luís Carlos Berrini, 105, 12º andar Itaim Bibi, São Paulo – SP, 04571-010