Revolucionando o empréstimo no Brasil
Use seu carro como garantia de novas conquistas
Use seu carro como garantia de novas conquistas
Finanças

Como sair do vermelho: 6 passos para equilibrar o orçamento

Descobrir o tamanho das dívidas e entender os seus hábitos de consumo são medidas essenciais para colocar as contas em dia. Confira dicas práticas para alcançar o equilíbrio financeiro
Escrito por Flávia Marques em 11.04.2019 | Atualizado em 30.07.2020
  • 0 Likes

Quando os gastos começam a aumentar e o dinheiro que entra na conta não acompanha esse crescimento, a situação financeira se complica. Diante desse cenário, como sair do vermelho e equilibrar o orçamento? 

Esse é um problema bastante conhecido pelos brasileiros: de acordo com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), atualmente mais de 62 milhões de consumidores perderam o controle das dívidas e têm contas em atraso. Isso equivale a mais de 40% da população economicamente ativa do país.  

A boa notícia é que com planejamento e algumas mudanças de hábitos é possível sair dessa situação. A seguir, separamos orientações valiosas para quem precisa colocar as contas em dia. 

Como sair do vermelho: dicas práticas 

Quando as contas não fecham no final do mês, muita gente decide recorrer a soluções mais “simples” para ter saldo, como usar o cheque especial ou tomar um empréstimo pessoal, de fácil contratação. O problema é que essas opções oferecem juros altos, que podem tornar a dívida do consumidor ainda maior. 

Por isso, listamos algumas etapas para quem busca organizar as finanças de maneira saudável. Quer aprender como sair do vermelho? Confira as dicas: 

1 - Descubra o tamanho do problema  

Não tem outro jeito: o primeiro passo para sair do vermelho é encarar as dívidas e descobrir exatamente como está a sua situação. 

Com o passar do tempo, algumas despesas crescem por conta dos juros, então é importante ligar para as empresas credoras para saber o valor atual da dívida. Mas, calma: isso não significa que você terá que pagar tudo de uma vez. Essa atitude serve para que o consumidor conheça o tamanho do problema e pense em qual estratégia irá tomar para resolver a situação. 

Depois de colher essas informações, é hora de olhar para os números. Para criar uma visualização mais simples, você pode fazer uma tabela: de um lado, liste todas as suas dívidas, como financiamentos, empréstimos e cheque especial, entre outras. Do outro, detalhe as dívidas: anote o valor das parcelas, as taxas de juros cobradas, o número restante de prestações e o valor total da despesa. 

Com esse exercício, é possível perceber quanto do orçamento mensal está comprometido só com essas dívidas e entender se essa situação é sustentável a longo prazo. Então, dá para avaliar se você poderá pagar esse valor até o final do parcelamento. 

As anotações também permitem visualizar quais são as dívidas mais caras, ou seja, as que têm as maiores taxas de juros. Elas são as mais perigosas e merecem atenção especial, porque crescem mais rapidamente. Todas essas informações serão importantes no futuro, quando você precisar decidir quais dívidas irá quitar primeiro. 

2 - Entenda a sua renda mensal

Para descobrir como organizar a vida financeira e sair do vermelho, é fundamental entender como funciona a sua renda mensal, afinal, é com ela que as dívidas serão quitadas. As anotações continuam: registre quanto você ganha e quanto gasta no dia a dia. Comece colocando tudo no caderno ou, se preferir, use aplicativos para se organizar: Guiabolso, Mobills, Minhas Economias e Olívia são algumas das opções gratuitas disponíveis.   

Se você trabalha em regime CLT, verifique o seu holerite e confira o valor do seu salário líquido, ou seja, o que realmente cai na sua conta depois dos descontos. Para autônomos e empreendedores, o ideal é considerar a renda média mensal, já que o valor pode variar. 

Depois, separe os gastos fixos, que você tem todo mês e não pode ficar sem, como aluguel, condomínio, supermercado, contas de luz e água. Em seguida, liste os gastos variáveis, que podem ser reduzidos ou cortados em situações de emergência: passeios no shopping, restaurantes e assinaturas de serviços de streaming são alguns exemplos.  

3 - Corte gastos de maneira inteligente 

Uma das orientações mais populares para quem busca como sair do vermelho é cortar os gastos desnecessários. Diminuir ou eliminar os custos extras é um passo realmente importante para ajustar as contas, mas há um problema nesta etapa: nem sempre é fácil identificar o que é ou não essencial. Então, o que fazer para não confundir desejos com necessidades? 

Em entrevista ao Exponencial, Fabio Gallo, professor de Finanças da Fundação Getúlio Vargas, ensinou um truque que pode ajudar o consumidor a decidir o que deve ser cortado, reduzido e reorganizado para sair do vermelho e manter um orçamento saudável: o método ABCD. 

A estratégia consiste em classificar os gastos em quatro categorias (A, B, C e D) para, depois, avaliar a real necessidade de cada um e eliminar o que está prejudicando o orçamento. Funciona assim: 

- Grupo A (alimentação):  aqui, entram os gastos com compras de supermercado, almoços na empresa e de lazer. “Itens requintados, como um vinho importado ou um queijo suíço não fazem parte desta categoria, já que não são gastos básicos referentes à alimentação”, explica o especialista.

- Grupo B (básicos): são as despesas obrigatórias, que chamamos no passo 2 de “gastos fixos”. Aluguel, contas telefônicas, energia elétrica, água, gás e afins se enquadram nesta categoria.

- Grupo C (contornáveis): Gallo define como contornáveis as despesas que “fazem nossa vida melhor, mas podem ser cortadas em momentos de emergência”. Assinatura de um pacote de internet mais completo, TV a cabo e academia são alguns exemplos. 

As despesas contornáveis, segundo ele, devem ficar “no amarelo”. “Enquanto puderem ser mantidas sem pesar no orçamento, elas ficam. Caso contrário, precisam ser cortadas”, defende o professor. 

- Grupo D (desnecessários): os gastos desnecessários precisam sair do orçamento o mais rápido possível. Quem paga tarifas de mais de um cartão de crédito, por exemplo, deve avaliar imediatamente qual é prioritário e abrir mão dos demais. 

Depois de categorizar as despesas, o ideal é começar cortando os gastos da categoria D (desnecessários). Em seguida, é hora de olhar com cuidado para aqueles do grupo C (contornáveis) e verificar quais deles também podem sair da lista de despesas. 

Leia também | 10 gastos invisíveis que corroem o seu orçamento - e como fugir deles 

4 - Calcule quanto você pode pagar pelas dívidas

Depois de conhecer as suas dívidas, entender a sua renda mensal e descobrir quanto pode economizar tirando algumas despesas do orçamento, é hora de comparar o quanto você ganha com o total das suas dívidas. Aqui, é preciso entender a fatia do orçamento que pode ser usada para pagar essas contas.

Por lei, o endividamento do consumidor, no caso de empréstimos regulamentados pela legislação, não pode passar de 30% do salário. Por isso, especialistas defendem que o ideal é nunca comprometer mais do que essa parte da sua renda para quitar dívidas. Isso porque no meio do caminho podem acontecer imprevistos, e estar com o orçamento muito apertado pode levar o consumidor ao superendividamento novamente. 

Seguindo esse raciocínio, uma pessoa que tem renda mensal de 3 000 reais, por exemplo, deve comprometer, no máximo, 900 reais por mês com o pagamento de dívidas. Com esses números em mente, é hora de passar para a próxima etapa: a negociação. 

5 - Comece a negociar

Primeiro, verifique quais dívidas você conseguiria pagar com o dinheiro que economizou após o corte de gastos. Como explicamos anteriormente, as dívidas prioritárias são aquelas que têm os juros mais altos.

Em seguida, é hora de entrar em contato com essas empresas para negociar as taxas de juros e quitar as dívidas. Para facilitar o pagamento, alguns órgãos de proteção ao crédito e até mesmo instituições financeiras organizam eventos chamados de “feirões”, que são ótimas oportunidades para conseguir condições especiais e eliminar os débitos. 

Mas, e o que deve ser feito com as dívidas que você não consegue quitar no momento? A solução está no próximo passo.

Leia também | Como negociar dívidas: 10 dicas para organizar o orçamento

6 - Ataque as dívidas

Para quitar as dívidas restantes e sair do vermelho de uma vez por todas, existem duas alternativas: 

Opção 1: utilize o que sobrar do orçamento para quitar os débitos

Depois da negociação, continue pagando as dívidas no prazo combinado. À medida que as parcelas forem quitadas e você conseguir uma folga no orçamento, guarde esse dinheiro para compor a sua reserva de emergência e evitar problemas financeiros com novos imprevistos. 

Mas, atenção: se após a negociação você perceber que irá comprometer a sua renda para pagar as parcelas, a próxima opção pode ser mais interessante.  

Opção 2: faça um refinanciamento da dívida 

Refinanciar as dívidas é uma alternativa interessante para quem busca como sair do vermelho. Ao optar por esse caminho, o consumidor soma o valor de todas as contas em atraso e toma um empréstimo para quitar tudo e ficar com uma dívida só, a juros menores. 

As vantagens são diversas: além da facilidade para organizar as contas e de não precisar mais se preocupar com prazos de pagamentos em diferentes instituições, o consumidor também pode negociar e conseguir condições melhores para pagar os seus débitos. Com o valor necessário para quitar o valor devido à vista, fica mais fácil conseguir descontos.  

Mas, para que o refinanciamento valha a pena, o ideal é optar por uma  modalidade de crédito que tenha juros baixos. Assim, o consumidor troca a dívida cara por outra mais barata e consegue sair do vermelho. Por isso, o empréstimo com garantia de imóvel e o empréstimo com garantia de veículo, que têm as menores taxas de juros do mercado, estão entre as opções mais utilizadas nesses casos. 

Outra opção é o crédito consignado privado, com taxas de juros a partir de 1,19% ao mês. Com ele, as parcelas do empréstimo são descontadas diretamente da folha de pagamento do colaborador, o que reduz os riscos de inadimplência e possibilita políticas de crédito melhores e mais flexíveis.

Você pode fazer uma simulação agora mesmo: 

Leia também | Refinanciamento vale a pena? Entenda quando a opção é vantajosa

Gostou das dicas de como sair do vermelho? Então, é hora de dar o primeiro passo rumo à organização financeira. E lembre-se: depois de ficar com as contas no azul, mantenha um planejamento financeiro para não se apertar outra vez. 

Receba conteúdos exclusivos
Não perca nenhuma novidade, assine nossa newsletter.
Carregando...
  • 0 Likes
Flávia Marques

Escrito por Flávia Marques

Repórter do Portal Exponencial, jornalista e curiosa. Gosta de observar, absorver e, diariamente, dividir o que aprende escrevendo.

Comentários [0]

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentário enviado com sucesso!
Erro ao enviar comentário. Por favor, tente novamente.
Revolucionando o empréstimo no Brasil

Quem somos

As transformações do mundo exigem cada vez mais de nós. Mais funções, mais responsabilidades, mais conhecimento. Mais, mais e mais. Mas o que Creditas e Exponencial têm a ver com isso?

Somos movidos por fazer a diferença na vida das pessoas. Se vivemos o tempo das informações ilimitadas, é nossa função criar e filtrar diferentes conteúdos aos nossos leitores, para que o conhecimento financeiro deles cresça exponencialmente.

Exponencial. Informação é fonte de crescimento.

A Creditas é uma plataforma digital que atua como correspondente bancário para facilitar o processo de contratação de empréstimos. Como correspondente bancário, seguimos as diretrizes do Banco Central do Brasil, nos termos da Resolução nº. 3.954, de 24 de fevereiro de 2011.

Creditas Soluções Financeiras Ltda. é uma sociedade limitada registrada sob o CNPJ/MF 17.770.708/0001-24, com sede na Av. Engenheiro Luís Carlos Berrini, 105, 12º andar Itaim Bibi, São Paulo – SP, 04571-010