• Simule seu crédito

    Simule seu crédito

    • Empréstimo com veículo em garantia
    • Empréstimo com imóvel em garantia
    • Empréstimo consignado
    Mais praticidade? Baixe nosso app:
  • Soluções

    Soluções

    • Imóveis

    • Reforma
    • Venda
    • Carros

    • Financiamento de carros
    • Loja de carros
    Mais praticidade? Baixe nosso app:
  • Benefícios corporativos

    Empresas

    Mais praticidade? Baixe nosso app:
  • Ajuda
Mais praticidade? Baixe nosso app:
  • Atração e Retenção
  • Benefícios flexíveis
  • Employer branding
  • Educação financeira
  • Departamento pessoal
  • Na mídia
  1. Home

  2. Destaques

Destaques

Educação financeira nas empresas: o que é, como implementar e desafios

Entenda como promover a educação financeira dos colaboradores é essencial para aumentar a qualidade de vida dos colaboradores e melhorar a retenção de talentos.

por Leonardo Cruz

Atualizado em 28 de outubro, 2022

Quer saber mais sobre educação financeira nas empresas? Então você está no lugar certo. Nesta matéria, você encontra tudo sobre esse importante recurso para promover a qualidade de vida no trabalho.

A vida financeira da maior parte dos brasileiros certamente passa por grandes desafios nos últimos anos. O aumento do endividamento, queda do poder aquisitivo e a diminuição do acesso a recursos básicos têm impacto em todas as áreas da vida - inclusive na produtividade no trabalho.

Pessoas que já tiveram problemas relacionados a endividamento sabem o quanto essa situação afeta várias esferas da vida, incluindo a profissional. Por isso, criamos o conteúdo de hoje com o objetivo de contextualizar o que é a educação financeira corporativa e como ter uma relação mais saudável com o dinheiro impacta na qualidade de vida do seu colaborador.

Para facilitar sua jornada nesse universo, confira os principais tópicos desta matéria:

O que é educação financeira?

Segundo a ENEF (Estratégias Nacional de Educação Financeira), esse é processo no qual os indivíduos melhoram a sua compreensão em relação ao dinheiro e produtos com informação, formação e orientação.

A educação financeira é muito mais do que só aprender a cortar gastos, economizar e juntar dinheiro. É um mecanismo para se conhecer, perceber quais são suas prioridades e manter suas finanças equilibradas.

Sabendo analisar riscos e benefícios do uso do dinheiro, aumenta-se a consciência sobre o seu uso racional, o que permite pensar no futuro e planejar como gastar.

Creditas Benefícios: a 1ª carteira de benefícios do RH

Para o RH, gerenciamento descomplicado de todos os benefícios corporativos em uma única plataforma. Para os colaboradores, um só aplicativo para gerenciar e aproveitar os benefícios. Tudo em um só lugar e com custo zero para a empresa.

Quero saber mais

Qual a importância da educação financeira nas empresas?

O cenário da saúde financeira no Brasil é alarmante, com 66 milhões de brasileiros endividados. Segundo o Serasa, 30% dessa dívida é apenas com bancos e cartão de crédito.

Esse endividamento afeta diretamente a saúde mental e física dos colaboradores. Isso fica mais claro com dados de uma pesquisa da Kantar Ibope que apontou que:

  • 74% sentem que a situação financeira impacta em sua saúde mental
  • 81% relatam ter sintomas físicos de preocupações com endividamento com ansiedade e depressão

Se o corpo cobra um preço pelo endividamento, isso gera um forte reflexo no ambiente corporativo com os colaboradores tendo de fazer hora extra ou "bicos" ou mesmo perdendo tempo tentando resolver essas pendências financeiras.

Ao oferecer educação financeira aos colaboradores a empresa passa a fornecer subsídios para o colaborador não cair no mau endividamento. Além disso, ainda aumenta e complementa seu pacote de benefícios, o que a torna mais atrativa para o mercado.

Leia tambémO guia completo sobre educação financeira nas empresas

Educação financeira é responsabilidade do RH?

A resposta para essa pergunta é: sim, educação financeira também é responsabilidade do RH. A educação financeira deve ser tratada como parte da responsabilidade do RH, pois ela beneficia os colaboradores, familiares e a própria empresa.

Para entender melhor esse impacto, Guilherme Casagrande, nosso especialista em Educação Financeira, se juntou ao Cezar Almeida, da ABRH-Brasil, para responder como a educação financeira pode ser implementada pelo RH.

Como a falta de educação financeira impacta a vida dos colaboradores

Entenda como o endividamento impacta na saúde e no engajamento dos colaboradores.

1. Impacta a saúde mental

Uma pesquisa realizada pela Creditas Benefícios mostrou que mais de 80% dos entrevistados disseram apresentar sintomas de ansiedade e depressão. Para tentar evitar a queda de rendimento, empresas estão oferecendo aulas de finanças aos funcionários.

2. Leva ao estresse financeiro

Prestação atrasada, boletos, cheque especial, cartão de crédito e uma série de outros problemas relacionados à falta de dinheiro tiram o sono de qualquer um. Segundo pesquisa realizada pelo ISMA-BR, a principal causa de ansiedade e preocupação para 78% dos entrevistados era a incerteza financeira.

Com o choque financeiro causado pelos anos de pandemia e o cenário de recessão que se desenhou nos últimos meses, muitos brasileiros começam a sofrer com o estresse financeiro. Além do aumento do estresse, problemas financeiros impactam a autoestima e podem causar problemas cognitivos. 

3. Diminui a produtividade no trabalho

O cenário de insegurança que afeta a qualidade de vida da população impacta, consequentemente, na produtividade das empresas. Profissionais estressados e com a saúde mental afetada por problemas financeiros acabam também reduzindo seu foco e engajamento, prejudicando sua performance profissional. Sem dúvida, um contexto em que sofrem a empresa e o colaborador.

Segundo pesquisa realizada pela Creditas com a Ibope Inteligência, 26% dos trabalhadores se sentem mais desmotivados e 10% confessam que a concentração mental nas atividades fica prejudicada.

4. Aumenta a rotatividade

A rotatividade traz uma série de impactos negativos para um negócio. Por exemplo, o custo de demissões e novas contratações pode pesar bastante no orçamento. Além disso, é necessário treinar um novo profissional para a função, o que impacta na dinâmica da empresa.

E o endividamento é um dos principais fatores causadores dessa rotatividade. Segundo a mesma pesquisa citada anteriormente, 37% dos respondentes buscam um novo emprego na tentativa de obter um salário melhor para pagar as contas. 

Após entender o impacto do mau endividamento sobre os resultados de uma empresa, fica claro que apoiar o colaborador no desenvolvimento de uma relação saudável com o dinheiro é fundamental. 

Agora, você vai conhecer 5 táticas para iniciar a prática da educação financeira na sua empresa.

  • Conheça as pessoas - conhecer seus colaboradores e seu perfil financeiro é muito importante. A Creditas por ajuda com esse mapeamento com seu  diagnóstico da saúde financeira dos colaboradores.
  • Incentive o diálogo - nem todos gostam de falar sobre suas finanças. Ajude a promover um ambiente respeitoso onde seja seguro tratar sobre o tema.
  • Promova o conhecimento - conheça e compartilhe nossos conteúdos para RH. São webinars, podcasts, ebooks e infográficos com informações valiosas para esse processo.
  • Disponibilize benefícios flexíveis - além dos benefícios obrigatórios é possível oferecer benefícios que apoiam a organização das finanças como adiantamento de salário, empréstimo consignado e previdência privada.
  • Faça um acompanhamento - é importante estabelecer métricas de progresso e acompanhar a evolução do aprendizado dos colaboradores.

Temos um guia completo sobre educação financeira nas empresas caso você ainda tenha dúvidas sobre o impacto de levar educação financeira  para os colaboradores da sua empresa.

Quais os benefícios da educação financeira para empresas e colaboradores

A educação financeira nas empresas gera diversos benefícios tanto para as empresas quanto para os colaboradores. Para deixar a resposta a essa pergunta mais simples, dividimos as vantagens de acordo com quem ela impacta:

  • Para o colaborador: pesquisa realizada pela Creditas mostra que quando o colaborador está endividado há forte impacto na sua saúde mental e física. Por isso um colaborador que recebe acesso a educação financeira e conseguem fugir do mau endividamento tem menos chances de ficarem estressados, ter insônia e depressão.
  • Para empresa: colaboradores endividados têm menor produtividade, faltam mais e apresentam maior turnover, já que para muitos a solução para a falta de dinheiro é mudar de emprego. Fornecer educação financeira é uma vantagem quando falamos de atração e retenção e também de engajamento do colaborador.

Se você quiser saber mais sobre os benefícios da educação financeira, temos um guia completo sobre o tema.

Dicas de educação financeira para estimular os colaboradores

Após as evidências do impacto do estresse financeiro sobre os resultados de uma empresa e a crescente valorização de medidas educativas para conter esse problema, fica claro que implementar uma cultura financeira sustentável é fundamental. Trata-se de um trabalho de base, que precisa ser estruturado individualmente, levando em conta as particularidades de cada colaborador e os
objetivos das companhias.

Agora, você vai conhecer 3 táticas para o RH iniciar essa prática de forma estratégica e utilizar esse recurso como um importante diferencial para retenção de talentos.

1. Fale sobre o assunto

O primeiro passo para criar uma cultura de organização financeira é trazer esse tema para os colaboradores. Fale sobre importância dos cuidados financeiros e distribua materiais como ebooks, vídeos, planilhas de controle financeiro, infográficos etc. que possam servir de ponto de partida para eles.

2. Incentive os colaboradores a definir metas e objetivos

Para criar uma mudança duradoura é importante disseminar a ideia de que não basta apenas poupar, mas que também é preciso ter metas e objetivos claros para o que fazer com esse dinheiro. Para isso, pode projetar planos de curto, médio ou longo prazo. Por exemplo:

  • Curto (de 6 meses a 1 ano) - viajar com a família ou amigos;
  • Médio Prazo: de 2 a 5 anos - comprar um veículo;
  • Longo (entre 6 e 10 anos) - comprar  um imóvel.

A partir da criação de metas, o colaborador irá controlar muito melhor as despesas.

3. Estimule-os a pensar no que causa os problemas financeiros

A melhor forma de começar a cuidar melhor do dinheiro é pensar em como ele é gasto. Rever a forma como ele gasta o dinheiro ajudará a evitar gastos excessivos principalmente com os chamados gastos invisíveis e em dívidas caras como a do cartão de crédito.

4. Ofereça um programa de educação financeira

Por mais que você ajude seu colaborador com todos os passos acima, contar com a ajuda de um especialistas em finanças é um item extremamente importante. Conheça o programa de educação financeira da Creditas e veja como ele pode ajudar seu colaborador.

Se o conteúdo desta matéria faz diferença para seus próximos projetos, saiba que o RH Estratégico tem tudo que você precisa para otimizar processos e alcançar melhores resultados.

Newsletter

RH Estratégico

Assine a newsletter e fique por dentro de todas as nossas novidades.

Nome
E-mail

Ao assinar a newsletter, declaro que concordo com a Política de privacidade da Creditas.

Publicações recentes

Atração e retenção

Salários no RH: remuneração de gestor e analista