• Simule seu crédito

    Simule seu crédito

    • Empréstimo com veículo em garantia
    • Empréstimo com imóvel em garantia
    • Empréstimo consignado
    Mais praticidade? Baixe nosso app:
  • Soluções

    Soluções

    • Imóveis
    • Reforma
    • Venda
    • Troca
    • Loja de imóveis
    • Carros

    • Financiamento de carros
    • Loja de carros
    Mais praticidade? Baixe nosso app:
  • Store

    Store

    Mais praticidade? Baixe nosso app:
  • Empresas

    Empresas

    Mais praticidade? Baixe nosso app:
Mais praticidade? Baixe nosso app:
  • Controle financeiro
  • Realizando sonhos
  • Saia do Vermelho
  • Me explica Creditas
  • Tudo sobre Crédito
  • Meu negócio
  1. Home

  2. Tudo sobre Crédito

Tudo sobre Crédito

Selic cai para 5,5%, seu menor patamar. Veja os efeitos na economia

Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou queda da taxa básica de juros para o menor patamar da história. Confira o motivo da decisão e os reflexos na economia – e no seu bolso

por Portal Exponencial

Atualizado em 11 de fevereiro, 2021

O Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, anunciou a redução da Selic, taxa básica de juros, de 6%  para 5,5% ao ano. A decisão atendeu as expectativas do mercado financeiro: segundo pesquisa realizada pelo Banco Central, o mercado esperava que o Copom mantivesse o ciclo de queda na Selic, que foi iniciado desde 2016, e realizasse o corte. Com a redução, a taxa básica de juros atingiu seu menor patamar desde 1986. 

Ainda de acordo com o Copom, a medida é compatível com as expectativas do governo para a inflação. Isso porque, a meta do IPCA em 2019 é de 4,25%, sendo que a margem de tolerância varia de 1.5 ponto percentual (um índice de 2,75% a 5,75%). 

Diante do cenário econômico atual - de inflação controlada - o comitê do Banco Central espera que a trajetória de juros no país deve encerrar o ano em 5% - e permanecer nesse patamar ao longo de 2020. 

Em nota, o Copom endossou a importância de avanços nas reformas estruturais da economia nacional, a fim de manter os juros em níveis baixos por um período maior. 

“O Copom avalia que o processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira tem avançado, mas enfatiza que perseverar nesse processo é essencial para a queda da taxa de juros estrutural e para a recuperação sustentável da economia”, indica a nota enviada à imprensa. 

Leia também: O que falta para o crescimento econômico do Brasil decolar de vez?

Impactos da queda da Selic para o consumidor

Quando a taxa básica de juros diminui, a tendência é que as taxas de juros em geral caiam também. Na prática, porém, a situação é outra: os brasileiros ainda terão dificuldades para ter acesso a financiamentos e modalidades de empréstimo com taxas de juros mais baixas. 

Dados do mercado indicam que a queda da Selic demora, em média, de seis meses a oito meses para surtir efeito nas taxas cobradas por instituições bancárias e financeiras. Além disso, se o grau de inadimplência da população estiver alto, o impacto da queda da taxa básica de juros pode nunca acontecer. 

Em termos de inflação, quando o índice está alto, o Banco Central também regula e aumenta a Selic. Isso porque a Selic é o principal instrumento do BC para manter a inflação oficial sob controle. Ao reduzir os juros básicos, a tendência esperada é de diminuição dos custos do crédito e incentivo de cadeias de produção e do consumo da população. 

Para cortar a Selic, o Copom precisa estar seguro de que os preços estão sob controle e não correm risco de ficar acima da meta de inflação. Como atualmente a inflação está estável e dentro das expectativas do mercado, o Banco Central pode continuar a série de queda da Selic. 

Recuperação da economia

Ainda segundo o boletim feito pelo Comitê, espera-se a retomada do processo de recuperação da economia, que deverá acontecer em ritmo gradual e com inflação na casa dos 3%. 

“As expectativas de inflação para 2019, 2020, 2021 e 2022 apuradas pela pesquisa Focus encontram-se em torno de 3,5%, 3,8%, 3,75% e 3,5%, respectivamente”, indicou o comitê do Banco Central em nota. 

Em relação às contas públicas, os efeitos da queda da Selic também serão sentido. Isso acontece, pois uma parcela  expressiva da dívida pública - títulos de dívida que o governo vende no mercado para captar recursos do mercado financeiro - está indexada à taxa básica de juros. Com a redução da Selic para 5,5% ao ano, a tendência é que o montante de dívida cresça num ritmo menor, que se estivesse em patamares altos. 

Histórico de queda da Selic

A decisão do Copom em reduzir a Selic par 5,5% ao ano, fez com que a taxa atingisse o menor patamar registrado pela série histórica do Banco Central - iniciado em 1986. 

Relembrando a linha do tempo, de outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa básica foi mantida em 7,25% ao ano. Na sequência, passou a ser reavaliada gradualmente até bater 14,25% ao ano, em julho de 2015. 

Em meados de outubro de 2016, o Copom voltou a reduzir a Selic, até que ela atingisse 6,5% ao ano em março de 2018. Já em julho de 2019, o Copom decidiu baixar a taxa para 6% ao ano, menor patamar até então.

Com Agência Brasil 

Newsletter

Exponencial

Assine a newsletter e fique por dentro de todas as nossas novidades.

Nome
E-mail

Ao assinar a newsletter, declaro que concordo com a Política de privacidade da Creditas.

Publicações recentes

Me explica Creditas

Qual é o valor do dólar? Entenda porque é importante saber disso