Revolucionando o empréstimo no Brasil
Use seu carro como garantia de novas conquistas
Use seu carro como garantia de novas conquistas
Economia

O que é inflação e como ela afeta o seu bolso

Mais que um índice econômico, a inflação é um fator importante para definir os preços de alimentos, produtos e serviços que você consome no dia a dia. Entenda como ela funciona
Escrito por Flávia Marques em 23.07.2020 | Atualizado em 23.07.2020
  • 0 Likes

Muita gente ainda não sabe o que é inflação, mas uma coisa é certa: os efeitos gerados por ela afetam o bolso de todo mundo. Por isso, ficar por dentro desse assunto é um passo muito importante para controlar a sua vida financeira e entender o que acontece com o seu dinheiro com o passar do tempo. 

A seguir, vamos explicar de maneira simples como funciona a inflação e, com exemplos, mostraremos que ela está mais presente no seu dia a dia do que você imagina. 

A pergunta que não quer calar: o que é inflação? 

Você já deve ter notado que, hoje em dia, os preços de alguns itens são muito maiores do que há alguns anos. A inflação é a grande responsável por isso. 

E o que significa inflação? Essa palavra é usada para explicar o aumento no preço de produtos, de aluguel, de salários e também é o motivo pelo qual o seu poder de compra diminui em alguns momentos. Resumidamente, a inflação indica o aumento generalizado ou contínuo dos preços de uma série de categorias de bens e serviços importantes no dia a dia dos consumidores.

Na economia, o conjunto dessas categorias é chamado de “cesta de produtos”. Essa cesta inclui despesas relacionadas à alimentação, moradia, vestuário, transporte, saúde, despesas pessoais, educação entre outros.

Quem já ouviu falar sobre o assunto nos noticiários, em meio a tantos números, pode ficar confuso e não conseguir entender o que, de fato, significa o índice de inflação. Na prática, funciona assim: se a inflação em determinado mês for de 1%, por exemplo, isso quer dizer que o aumento médio dos preços dessas categorias neste mês também foi de 1%. 

Vale lembrar que esse aumento nos preços não é uniforme, ou seja, dentro de cada categoria alguns itens podem sofrer aumentos maiores e outros, nenhum. Quando o valor do tomate sobe muito, ele pode puxar a inflação média mesmo que o preço do limão, que também está na categoria alimentação, fique estável, por exemplo.

De forma resumida, a inflação aumenta quando o nível de preços médios da economia também sobe.

Por que a inflação aumenta?

Para entender os motivos que levam ao aumento dos preços, é importante saber que existem dois tipos de inflação: a de oferta e a de demanda. 

A inflação de oferta também é chamada de “inflação puxada por custos”. Ela acontece quando o preço de matérias-primas básicas, como a eletricidade ou a gasolina, crescem. Aí, os reajustes impactam os custos da empresa, que são repassados ao consumidor. 

Vamos a um exemplo: no Brasil, a maior parte da energia elétrica oferecida à população é gerada em usinas hidrelétricas. Quando o nível de água nos reservatórios fica muito baixo, as companhias precisam adotar alternativas para continuar gerando energia. 

Uma delas é realizar o processo em usinas termelétricas, que produzem eletricidade a partir da queima de combustível. Por se tratar de um procedimento mais caro para as empresas, quando essa substituição é necessária, o preço médio das contas de luz aumenta para toda a população.  

Mas os preços também podem subir por conta da alta procura por produtos e serviços — a chamada inflação de demanda.

Vamos supor que, em determinado período, a economia esteja em pleno desenvolvimento e a  população se sente mais segura para comprar itens mais caros, como um automóvel. Se isso acontecer, é possível que as montadoras, a princípio, não consigam atender à alta demanda. Com muita procura e poucos carros no mercado, o resultado é o aumento dos preços. 

Com certeza você já viu isso acontecer com outros produtos. Quem procura um ar-condicionado em pleno verão, por exemplo, deve encontrar preços bem maiores do que aqueles que compraram fora de época. Aliás, compreender a lei da oferta e da demanda e ficar atento a esse movimento, acompanhando os preços do que você precisa ou deseja adquirir, é uma ótima maneira de economizar dinheiro.  

Leia também | Como economizar dinheiro: 10 estratégias infalíveis

Esse aumento de demanda — e da inflação — pode acontecer por diferentes motivos: porque as pessoas estão ganhando salários maiores, porque o crédito está mais acessível ou até quando o Banco Central imprime moeda para financiar o governo. 

Na prática, como funciona a inflação e por que ela afeta o seu bolso? 

Se a alta da inflação é sinônimo de elevação de preços, o resultado pode não ser positivo para quem vive de salário e não vê a sua renda aumentar. Se um profissional ganha hoje o mesmo que ganhava há três anos, por exemplo, ele perdeu poder de compra, porque as coisas estão mais caras. 

Para efeitos de comparação, em 2020, o salário mínimo no Brasil foi definido em 1 045 reais. Em 2015, o valor era de 788 reais. Cinco anos atrás, em 2010, chegou a 510 reais. Embora o salário mínimo não represente um montante suficiente para que muitas famílias possam atender às suas necessidades básicas, essa diferença ajuda a entender como o valor do dinheiro vem mudando ao longo dos anos. 

Em outras palavras, a inflação faz com que o seu dinheiro perca valor, já que ele não acompanha as altas dos preços. Em um cenário de hiperinflação, cria-se um grande problema: os preços chegam a aumentar todos os dias. Isso significa que a cada dia que passa, a moeda perde valor muito rápido.

Os brasileiros passaram por isso entre as décadas de 1980 e 1990, quando o índice de inflação chegou a atingir 80% (para efeitos de comparação, a meta de inflação em 2020 é de 4%). Nos supermercados, os preços eram remarcados várias vezes por dia e as famílias se apressavam para ir às compras assim que recebiam seus salários, pois sabiam que o dinheiro recebido perderia valor rapidamente. 

Os preços mudavam do dia para a noite e a escassez de produtos era uma realidade. O cenário só melhorou em julho de 1994, quando o Plano Real entrou em vigor e a inflação começou a ser controlada. Dois anos depois, a miséria no Brasil caiu 18%, segundo estimativas da Fundação Getúlio Vargas. 

Leia também | Como o Plano Real mudou a economia do Brasil?

A inflação é ruim para a economia? 

Ao contrário do que muitos pensam, a inflação de preços, quando controlada, é um ótimo sinal: indica que a economia está movimentada e crescendo de forma sustentável. Por isso, em qualquer país do mundo, é preciso ter inflação. Aliás, o Brasil possui uma meta anual de inflação para dar segurança à  economia. 

Como já mencionamos, a inflação passa a ser prejudicial quando não é controlada e atinge níveis muito altos, situação chamada de hiperinflação. 

Inflação e deflação: você conhece as diferenças? 

Quem já ouviu falar sobre inflação pode ter se deparado, também, com outro termo econômico: deflação. 

A deflação é o contrário de inflação e acontece quando os preços, ao invés de subirem, caem. Entre os principais motivos que geram essa situação estão o aumento da oferta de produtos e falta de demanda para compra. 

Além disso, a deflação pode ser consequência de uma crise econômica. Isso porque, em períodos de recessão, os consumidores podem ter a sua renda reduzida e tendem a ficar mais cautelosos para comprar. Esse comportamento leva as empresas a diminuírem cada vez mais os seus preços. 

Apesar do barateamento de produtos e serviços, a deflação e a falta de consumo não são interessantes para a economia. Quando as pessoas entendem que os preços tendem a baixar no futuro, elas acabam adiando seus gastos. Assim, as empresas não vendem, não lucram e não geram emprego — o que piora a situação financeira e a qualidade de vida de toda a população.  

Podemos afirmar, então, que a deflação é tão prejudicial quanto a inflação descontrolada. 

Agora que você já sabe o que é inflação e deflação, consegue entender melhor as variações de preços que encontrar quando for às compras e pode acompanhar os noticiários de economia com mais facilidade. Lembre-se: informação é fonte de crescimento. Que tal compartilhar este conteúdo com mais pessoas e ajudá-las a ter mais controle sobre a sua vida financeira também?

Receba conteúdos exclusivos
Não perca nenhuma novidade, assine nossa newsletter.
Carregando...
  • 0 Likes
Flávia Marques

Escrito por Flávia Marques

Repórter do Portal Exponencial, jornalista e curiosa. Gosta de observar, absorver e, diariamente, dividir o que aprende escrevendo.

Comentários [0]

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentário enviado com sucesso!
Erro ao enviar comentário. Por favor, tente novamente.
Revolucionando o empréstimo no Brasil

Quem somos

As transformações do mundo exigem cada vez mais de nós. Mais funções, mais responsabilidades, mais conhecimento. Mais, mais e mais. Mas o que Creditas e Exponencial têm a ver com isso?

Somos movidos por fazer a diferença na vida das pessoas. Se vivemos o tempo das informações ilimitadas, é nossa função criar e filtrar diferentes conteúdos aos nossos leitores, para que o conhecimento financeiro deles cresça exponencialmente.

Exponencial. Informação é fonte de crescimento.

A Creditas é uma plataforma digital que atua como correspondente bancário para facilitar o processo de contratação de empréstimos. Como correspondente bancário, seguimos as diretrizes do Banco Central do Brasil, nos termos da Resolução nº. 3.954, de 24 de fevereiro de 2011.

Creditas Soluções Financeiras Ltda. é uma sociedade limitada registrada sob o CNPJ/MF 17.770.708/0001-24, com sede na Av. Engenheiro Luís Carlos Berrini, 105, 12º andar Itaim Bibi, São Paulo – SP, 04571-010