• Simule seu crédito

    Simule seu crédito

    • Empréstimo com veículo em garantia
    • Empréstimo com imóvel em garantia
    • Empréstimo consignado
    Mais praticidade? Baixe nosso app:
  • Soluções

    Soluções

    • Imóveis
    • Reforma
    • Venda
    • Troca
    • Carros

    • Financiamento de carros
    • Loja de carros
    Mais praticidade? Baixe nosso app:
  • Store

    Store

    Mais praticidade? Baixe nosso app:
  • Empresas
  • Ajuda
Mais praticidade? Baixe nosso app:
  • Controle financeiro
  • Realizando sonhos
  • Saia do Vermelho
  • Me explica Creditas
  • Tudo sobre Crédito
  • Meu negócio
  1. Home

  2. Controle Financeiro

Controle Financeiro

Economizar no Natal: como se planejar para não estourar o orçamento

Cerca de 120 milhões de pessoas irão fazer compras neste Natal, injetando R$ 60 bilhões na economia. Você é um entusiasta da festividade? Confira dicas para aproveitar sem se endividar

por Elaine Ortiz

Atualizado em 11 de fevereiro, 2021

Economizar no Natal não é prioridade da empresária de 34 anos Thais Marra Santos. Ela ama dar presentes o ano todo, mas o Natal é sua época preferida para demonstrar o carinho que sente pelas pessoas, principalmente seus familiares. Ninguém é esquecido pela empresária, sobretudo as crianças, que chegam a ganhar até cinco presentes cada uma. Ao todo, Thais embrulha cerca de 40 pacotes em dezembro, sem fazer lista ou pesquisas e comprando tudo na última semana. Resultado? Dívidas. 

“A maioria dos Natais eu estouro meu orçamento, compro mais do que posso e fico endividada até o mês de abril”, conta. “Mas, ainda assim, não me arrependo nunca dessa loucura natalina”. 

Ela é uma dos quase 120 milhões de brasileiros que irão às compras neste fim de ano. Segundo pesquisa feita em todas as capitais pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), 77% dos consumidores devem presentear alguém no Natal de 2019, percentual próximo aos 79% que fizeram compras na data do ano passado. Cada presente custará, em média, 125 reais. 

Leia mais: Amigo secreto e presente de natal: 7 dicas para não exagerar

Compras parceladas

Segundo o economista da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), Marcel Solimeo, isso só é possível por conta da existência do crediário e também pelo incremento  na renda das pessoas no fim do ano com a liberação de recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) e ainda o décimo terceiro para quem possui emprego com carteira assinada. “A medida que as pessoas usam esse recursos para pagar dívidas, elas se habilitam a fazer novas compras”, explica. “Ainda assim, não é aconselhável correr comprar simplesmente por comprar, é importante avaliar se precisa efetuar aquela compra e se tem possibilidade de pagar depois”.

Ainda segundo a pesquisa CNDL/SPC, assim como Thais, 56% dos compradores vão utilizar alguma modalidade de crédito para fazerem suas compras e irão parcelar o pagamento em até cinco prestações, o que significa que quem comprar os presentes neste mês de dezembro estará com a renda comprometida pelo menos até os meses de abril e maio de 2020. “Um dos impactos deste comportamento é a pessoa ficar endividada ou inadimplente e isso traz muitos problemas no longo prazo”, explica Solimeo. 

Quer fazer boas compras e economizar no Natal? Confira dicas para aproveitar as festas sem se endividar.

Leia mais: Como economizar dinheiro: 10 estratégias infalíveis

1. Faça listas e pesquise preços e ofertas 

Planejamento é essencial para fazer boas compras. Começar fazendo uma lista com os nomes das pessoas que serão presenteadas é um ótimo caminho para não comprar itens a mais. Pesquisar preços online e também em lojas físicas antes de efetuar a compra contribui para fazer escolhas mais saudáveis.

“A principal dica é planejar, verificar o que precisa comprar e o que pode comprar e se tem recursos suficientes para isso”, diz Marcel Solimeo, da Associação Comercial. “Fazer esse cálculo direitinho, pesquisar onde se encontra as melhores ofertas, verificar a sua disponibilidade financeira, analisar o que é prioritário é o mais importante para fazer boas escolhas”. 

2. Compre com antecedência 

Comprar com antecedência, meses antes do período das festas, permite aproveitar promoções, liquidações e acompanhar as trajetória dos preços. Essa é uma prática importante, já que os produtos costumam ter seus valores aumentados já no finzinho de novembro. Este ano, em especial com a elevação do dólar frente ao real e com a alta demanda das exportações, a tendência é que o Natal fique mais caro.

Mas atenção com prazos para trocas, muitas empresas restringem o período para trocar as mercadorias. Portanto, se for comprar com muita antecedência, dê preferência para produtos ou presentes que você tenha certeza que não necessitará ser trocado pelo presenteado.

3. Aposte em compras online, mas fique de olho no preço e no prazo do frete 

O comércio online tem conquistado novos consumidores todos os dias. Segundo pesquisa da CNDL/SPC, neste fim de ano, pela primeira vez, as lojas online empatarão com as lojas de departamento como local preferido pelos brasileiros para fazer as compras de Natal. Ambas lideram o ranking onde os consumidores planejam comprar.

O levantamento diz que 41% dos consumidores pretendem adquirir produtos em lojas online no Natal, o mesmo porcentual que declarou que planeja consumir em lojas físicas de departamento. Em terceiro lugar, estão os shoppings, com 37% da preferência dos entrevistados.

Mas alguns cuidados devem ser levados em consideração na hora de fazer compras online: observe o prazo de entrega, para ter certeza que seus presentes estarão em suas mãos antes do dia 24 de dezembro e fique atento ao valor do frete que, muitas vezes, são mais caros que os próprios produtos. Além disso, consulte a idoneidade da empresa em sites como o Procon e Reclame Aqui. 

4. Reserve um budget para as compras de Natal e evite usar cartão de crédito

Defina exatamente quanto você quer gastar com os presentes de Natal. E cumpra esse planejado. Outra dica importante é evitar usar o cartão de crédito, principalmente para parcelar as compras. Dados da CNDL/SPC revelam que cresceu de 23% para 32% o percentual de trabalhadores que irão usar 13º salário para comprar presentes e 52% pretendem ‘fazer bicos’ para realizar mais compras.

Especialistas orientam consumidor inadimplente a priorizar a quitação de pendências e se precisar utilizar o cartão de crédito que divida em poucas prestações. Ou seja, mais vale quitar as dívidas antigas do que iniciar o ano mais endividado por conta dos presentes de Natal. 

5. Aposte na criatividade e no handmade 

O consumidor não precisa comprar algo caro ou de grife para presentear alguém. Hoje, muitas pessoas valorizam a criatividade quando recebem presentes. Fazer com suas próprias mãos as lembranças, preparar receitas como pão de mel, bombons, bolos, tortas e embalar com carinho, pode ser muito mais significativo e atencioso do que um produto comprado em um shopping.

É importante dar presente de acordo com suas possibilidades”, diz Solimeo. “Um presente criativo pode custar baratinho ou nem custar nada”. 

Aliás, o Natal é uma boa oportunidade para incentivar o empreendedorismo. Ao comprar produtos diretamente do produtor o consumidor tem a possibilidade de pagar mais barato, já que não há impostos embutidos, e ainda oferecer um presente diferente e muitas vezes personalizado.

Newsletter

Exponencial

Assine a newsletter e fique por dentro de todas as nossas novidades.

Nome
E-mail

Ao assinar a newsletter, declaro que concordo com a Política de privacidade da Creditas.

Publicações recentes

Meu negócio

Como fazer declaração do MEI: passo a passo

4 minutos de leitura