Revolucionando o empréstimo no Brasil
Use seu carro como garantia de novas conquistas
Use seu carro como garantia de novas conquistas
Crédito e empréstimo

Cresce busca por empréstimos. Como evitar o mau endividamento?

Pesquisa do Guiabolso revela que a procura por empréstimos de valores menores aumentou em janeiro. Entenda os motivos da escalada e saiba como se proteger do mau endividamento
Escrito por Elaine Ortiz em 28.02.2020 | Atualizado em 14.05.2020
  • 2 Likes

As despesas de janeiro, como IPVA, IPTU, matrícula e material escolar, são tradicionais, mas, ainda assim, muitos brasileiros enfrentam dificuldades para lidar com elas todo começo de ano. Pagar a fatura do cartão de crédito também costuma ser um desafio por conta dos gastos com as festas de dezembro. Falta de planejamento é um dos principais motivos para a desorganização e é por isso que a busca por crédito costuma ter um salto nessa época. 

Segundo a fintech Guiabolso, aplicativo de gestão financeira e curadoria de produtos,  houve um aumento das solicitações de empréstimo pessoal em janeiro, sobretudo para valores menores (entre 500 e 10 500 reais). Nesta faixa de valor, os pedidos cresceram 14,2% entre janeiro de 2019 e janeiro de 2020. 

Ainda de acordo com o levantamento, estes empréstimos de menor valor representavam 74,3% dos pedidos em janeiro de 2019, fatia que subiu para 83,3% neste ano. 

Para Ricardo Takeyama, head de crédito do Guiabolso, um conjunto de fatores resultam em um maior endividamento das pessoas no início do ano. “Falta de educação financeira e de planejamento com certeza são fatores muito importantes nesse processo”, diz.

“É necessário considerar a preditividade da renda, ou seja, se, de fato,  a renda dessas pessoas está compatível com os gastos que elas têm e isso depende muito da educação financeira. Sem  planejamento, principalmente com os gastos do fim de ano e gastos fixos do começo do ano, muitas pessoas encontram problemas para ajustar as contas. Isso explica porque a  demanda de crédito passa a ser maior nesse período do ano”. 

A pesquisa do Guiabolso revela também que os principais motivos que levaram as pessoas a pedirem empréstimos em janeiro foram refinanciar dívidas (29,9%), pagar o cartão de crédito (18,3%), pagar o cheque especial (12,2%) e investir na empresa (11,1%). Outros itens que também foram listados são educação, comprar carro e tirar férias.

Segundo Takeyama, a maior demanda por empréstimos de menor valor pode ser reflexo também das mudanças nos produtos ofertados pela fintech. “Passamos a atender um público de baixa renda ao reduzirmos a taxa mínima de juros para 2,49% e o valor mínimo do empréstimo de 1 mil para R$ 500, o que fez com que o ticket médio dos empréstimos caísse”, explica. “A demanda por créditos acima disso se manteve no mesmo patamar”. 

Como evitar o mau endividamento?

Segundo pesquisa do SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) com a CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), aproximadamente 61,3 milhões de brasileiros estão inscritos em cadastros de devedores, cifra que equivale a pouco mais de 39% da população adulta do país. A inadimplência é, portanto, um problema muito grave. Confira dicas para não entrar nessas estatísticas e evitar o mau endividamento. 

1. Planejamento, controle e reserva financeira

Gastar menos do que ganha é premissa para manter uma vida financeira mais saudável. “As pessoas tem que ter muita consciência em relação aos gastos x renda que tem. Comprometer mais que 30% do que ele recebe pode ser complicado diante de qualquer eventualidade”, diz Takeyama. “Imprevistos podem comprometer a vida financeira das pessoas, que acabam se endividando, entrando no rotativo do cartão de crédito, utilizando o cheque especial”. 

2. Compra consciente e atenção com parcelas

Além de um planejamento financeiro muito bem feito e consciência sobre a importância de  constituir uma reserva para qualquer eventualidade, os especialistas indicam que o consumidor avalie muito bem a real necessidade daquele produto antes de efetuar a compra. Segundo pesquisa do SPC Brasil e da CNDL, 83 milhões de brasileiros possuem ao menos uma compra parcelada e 61% dos consumidores admitem ter aproveitado oferta de crédito para fazer compras por impulso. As aquisições mais feitas de forma impulsiva foram as roupas, calçados e acessórios (22%), itens em supermercados (18%), idas a bares e restaurantes (15%) e compras de perfumes e cosméticos (13%).

3. Não utilizar o rotativo nem o cheque especial

O crédito rotativo e o cheque especial são os principais vilões da inadimplência por conta dos juros exorbitantes que praticam e do efeito “bola de neve” que causam frequentemente na vida do consumidor. De acordo com o Banco Central, os juros do cheque especial estão em 165,6% ao ano, acima do limite estabelecido pelo Banco Central, de 151,8% ao ano, ou 8% ao mês. Já o juro médio do rotativo do cartão de crédito bateu a casa dos 316,8% ao ano no mês passado -- em janeiro de 2019, a taxa era de 287,1%. Neste cenário, utilizar essas duas linhas de crédito pode ser um erro capaz de levar as pessoas ao endividamento. 

Receba conteúdos exclusivos
Não perca nenhuma novidade, assine nossa newsletter.
Carregando...
  • 2 Likes
Elaine Ortiz

Escrito por Elaine Ortiz

Repórter do Portal Exponencial, com dez anos de experiência em redações de jornais e revistas. Acredita que informação de qualidade é capaz de fazer a diferença na vida das pessoas e que conhecimento financeiro tem tudo a ver com liberdade.

Comentários [0]

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentário enviado com sucesso!
Erro ao enviar comentário. Por favor, tente novamente.
Revolucionando o empréstimo no Brasil

Quem somos

As transformações do mundo exigem cada vez mais de nós. Mais funções, mais responsabilidades, mais conhecimento. Mais, mais e mais. Mas o que Creditas e Exponencial têm a ver com isso?

Somos movidos por fazer a diferença na vida das pessoas. Se vivemos o tempo das informações ilimitadas, é nossa função criar e filtrar diferentes conteúdos aos nossos leitores, para que o conhecimento financeiro deles cresça exponencialmente.

Exponencial. Informação é fonte de crescimento.

A Creditas é uma plataforma digital que atua como correspondente bancário para facilitar o processo de contratação de empréstimos. Como correspondente bancário, seguimos as diretrizes do Banco Central do Brasil, nos termos da Resolução nº. 3.954, de 24 de fevereiro de 2011.

Creditas Soluções Financeiras Ltda. é uma sociedade limitada registrada sob o CNPJ/MF 17.770.708/0001-24, com sede na Av. Engenheiro Luís Carlos Berrini, 105, 12º andar Itaim Bibi, São Paulo – SP, 04571-010