Revolucionando o empréstimo no Brasil
Creditas
Creditas
Economia

Coronavírus impacta mercado financeiro e pode reduzir PIB global

Com o avanço do surto e novos casos reportados, bolsas do mundo todo passaram a operar em queda. Entenda por que isso acontece e os impactos da situação na economia mundial e brasileira

Escrito por Flávia Marques em 28.01.2020 | Atualizado em 29.01.2020

  • 0 Likes

 

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Os casos de coronavírus estão aumentando no mundo todo. Na China, mais de 4 000 pessoas estão infectadas e já existem registros da epidemia em outros 10 países;
  • Como consequência, as bolsas começaram a semana em queda. No Brasil, o Ibovespa caiu 3,29% na segunda feira (27) e grandes empresas sofreram desvalorização;
  • A China é a segunda maior economia do mundo e está entre os principais parceiros comerciais do Brasil. No entanto, para especialistas, ainda é cedo para prever os impactos do coronavírus na economia brasileira a longo prazo.

 

O avanço da epidemia de coronavírus na China, com novos casos reportados a cada dia, fez com que a economia do mundo todo entrasse em estado de atenção - e as bolsas começassem a semana em queda. Os índices acionários de Nova York apresentaram grande recuo, fazendo com que o Dow Jones perdesse todo o ganho acumulados em janeiro. Os índices Nasdaq e S&P fecharam a primeira sequência de dois dias de perdas em 2020. No Brasil, a situação não foi diferente: na segunda-feira (27), o Ibovespa caiu 3,29% e empresas de diversos setores, como mineração, siderurgia e alimentação sofreram desvalorização expressiva. 

Com os primeiros casos da doença registrados em dezembro do ano passado, a China vive, desde então, em estado de alerta, principalmente quando a epidemia começou a se espalhar em Wuhan, a sétima maior cidade do país.

Quase um mês depois, a situação é ainda mais preocupante: o coronavírus atravessou fronteiras e já existem infectados em mais de 10 países, incluindo França, Estados Unidos e Japão. Hoje, Alemanha e Canadá também confirmaram os seus primeiros casos. 

Na China, mais de 4 000 pessoas estão infectadas e o número de mortos pelo surto chegou, nesta manhã, a 106, segundo autoridades sanitárias do país. Nesta terça-feira (28), após um caso suspeito de coronavírus em um paciente em Minas Gerais, o Ministério da Saúde elevou a classificação de risco do Brasil para o nível dois, que significa “perigo iminente”. 

Leia também: Como o desempenho da economia do Brasil afeta suas finanças

Diante de uma situação humanitária e de saúde mundial tão grave, as economias globais passam a responder. Por enquanto, o país mais afetado em termos de projeções ainda é a China, onde foram registrados os primeiros casos. A situação pode ser observada em respostas de órgãos internacionais.

Enquanto em 20 de janeiro o Fundo Monetário Mundial (FMI) previa que o país asiático cresceria 6% neste ano, oito dias depois, a agência de classificação de risco S&P estima que o índice de crescimento pode cair cerca de 1,2 ponto percentual com os efeitos da epidemia. 

Efeito cascata: como o coronavírus afeta a economia de outros países? 

Além do sofrimento humano e preocupação pelas mortes e efeitos das doenças, as epidemias podem trazer sérias consequências ao desempenho econômico. No caso do coronavírus, os efeitos são ainda maiores, já que o problema tem origem na China, que é a segunda maior economia do mundo. 

Por conta da epidemia, a cidade de Wuhan está “isolada”, com o transporte público interrompido e voos cancelados. Além disso, o governo decidiu prolongar por três dias as férias do Ano-Novo, que terminariam em 30 de janeiro, para “limitar o movimento da população” durante o feriado, período em que milhões de chineses viajam para encontrar suas famílias. “Essas medidas têm como efeito mais imediato uma redução da produção no país”, comenta Mauro Rochlin, economista e professor dos MBAs da Fundação Getúlio Vargas (FGV). 

Rochlin explica que, além de ser um dos protagonistas no comércio internacional, a China também se destaca por ser uma das economias que mais crescem, ao lado da Índia. “Por conta desses problemas e dos desdobramentos desses problemas, a China pode crescer muito menos, e é inevitável que outros países sejam afetados por isso”, afirma o economista. “O resultado é como um efeito cascata, ruim para todo mundo, inclusive para o Brasil”, conclui. 

Crise pode afetar economia brasileira

No Brasil, os efeitos dos temores com a disseminação do coronavírus começaram a aparecer. Em um único dia, as empresas que compõem o Ibovespa perderam mais de 120 bilhões de reais em valor de mercado. Mesmo fisicamente distante do centro da doença, a queda mais acentuada no Brasil pode ser explicada pela próxima relação comercial que algumas das principais companhias do Ibovespa têm com a China. 

Entre as companhias que mais sofreram desvalorização estão a JBS, processadora de carne e grande exportadora para a China, que viu seu valor derreter 5,45 bilhões, e a empresa de papel e celulose Suzano, que também tem grande atuação no mercado global. Hoje, a companhia perdeu 4 bilhões de reais em valor.

“Os chineses são os nossos maiores parceiros comerciais, e o desempenho do comércio internacional afeta diretamente a nossa produção”, diz Mauro Rochlin. Hoje, a China está entre os maiores compradores de carne e soja brasileiras - o que favorece a nossa economia.

“Com a China crescendo menos, espera-se que ela compre menos desses e outros produtos. Com a diminuição da demanda, o Brasil também precisará reduzir os preços de venda para o mercado internacional, o que prejudica a economia”, explica. 

Leia também: O que falta para a economia brasileira decolar de vez? 

Para especialistas, ainda é cedo para fazer projeções 

Enquanto o mundo assiste os avanços da nova epidemia, líderes globais e econômicos ainda são cautelosos a fazer projeções sobre os impactos da doença. Em entrevista à rádio CBN, o diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo, afirmou que, por ora, há apenas especulações econômicas sobre o caso. Para o líder global, projeções de crescimento econômico não podem ser pautadas pelas respostas do mercado financeiro.

O professor Mauro Rochlin concorda com a linha de raciocínio. Para o economista, também é cedo para prever os impactos do coronavírus no desempenho da economia brasileira.

Leia também: Os 10 maiores riscos para o mundo em 2020, segundo a Eurasia 

“Estamos falando de uma epidemia cujo contágio acontece de maneira muito rápida, e isso obriga que medidas sejam tomadas rapidamente”, explica o especialista. “Como consequência, a economia chinesa fica desaquecida e afeta o Brasil, mas para falar de impactos a longo prazo, é preciso avaliar por mais tempo a duração do surto e as proporções que ainda vai tomar”, defende o economista.

Imagem: United Nations News

Receba conteúdos exclusivos
Não perca nenhuma novidade, assine nossa newsletter.
Carregando...
  • 0 Likes
Flávia Marques

Escrito por Flávia Marques

Repórter do Portal Exponencial, jornalista e curiosa. Gosta de observar, absorver e, diariamente, dividir o que aprende escrevendo.

Comentários [0]

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentário enviado com sucesso!
Erro ao enviar comentário. Por favor, tente novamente.
Revolucionando o empréstimo no Brasil

Quem somos

As transformações do mundo exigem cada vez mais de nós. Mais funções, mais responsabilidades, mais conhecimento. Mais, mais e mais. Mas o que Creditas e Exponencial têm a ver com isso?

Somos movidos por fazer a diferença na vida das pessoas. Se vivemos o tempo das informações ilimitadas, é nossa função criar e filtrar diferentes conteúdos aos nossos leitores, para que o conhecimento financeiro deles cresça exponencialmente.

Exponencial. Informação é fonte de crescimento.

A Creditas é uma plataforma digital que atua como correspondente bancário para facilitar o processo de contratação de empréstimos. Como correspondente bancário, seguimos as diretrizes do Banco Central do Brasil, nos termos da Resolução nº. 3.954, de 24 de fevereiro de 2011.

Creditas Soluções Financeiras Ltda. é uma sociedade limitada registrada sob o CNPJ/MF 17.770.708/0001-24, com sede na Av. Engenheiro Luís Carlos Berrini, 105, 12º andar Itaim Bibi, São Paulo – SP, 04571-010