Revolucionando o empréstimo no Brasil
Use seu carro como garantia de novas conquistas
Use seu carro como garantia de novas conquistas
Empreendedorismo

Abertura de empresas aumenta no início do ano. Como começar a sua?

Para garantir a sobrevivência do negócio no mercado, empreendedor deve conhecer obrigações fiscais e avaliar pontos fundamentais antes de começar uma empresa. Entenda quais são

Escrito por Flávia Marques em 09.01.2020 | Atualizado em 29.03.2020

  • 0 Likes

Ser dono do próprio negócio é um dos maiores sonhos dos brasileiros - superado apenas pelos desejos de viajar pelo país, comprar uma casa e um automóvel. É o que mostrou o mais recente estudo do Global Entepreneurship Monitor (GEM), patrocinado pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas). Mas, para alguns, abrir uma empresa não representa, necessariamente, a concretização de um objetivo. É questão de sobrevivência. 

Prova disso é que o empreendedorismo por necessidade cresce em período de altos índices de desemprego. Em 2017, por exemplo, a taxa de desocupação registrou recorde e o número de brasileiros desempregados chegou a 14,2 milhões. No mesmo período, quase 50% das empresas foram abertas por necessidade no país. 

Mas uma coisa é certa: criada por oportunidade ou falta de opção, toda empresa precisa de alguns cuidados para sobreviver no mercado. No Brasil, essa necessidade é ainda mais evidente: o último relatório divulgado pelo Sebrae mostrou que, de cada quatro empresas abertas no país, uma fecha antes de completar dois anos de existência. “Diferentemente do que muitos pensam, o principal motivo da quebra de empresas não é a carga tributária, apesar de ela ser alta no Brasil”, explica Ana Luiza Santana, consultora de negócios do Sebrae. “O problema, na verdade, está na falta de planejamento do negócio”, defende a especialista. 

Historicamente, o início do ano é sempre o período em que mais empresas são abertas no Brasil. Somente em 2019, o primeiro trimestre registrou um crescimento de 17,2% frente a 2018 no número de novas empresas, segundo levantamento da Boa Vista. Este é, portanto, um dos momentos mais interessantes para trazer orientações àqueles que estão na dúvida em relação à abertura da empresa e precisam decidir se esta é a hora de se tornar um empreendedor formal. 

O que avaliar antes de abrir um negócio?

Ana Luiza reforça a importância de tratar o planejamento como prioridade quando o assunto é começar uma empresa. “Esta é uma preocupação que não pode deixar de ser considerada em hipótese alguma”, comenta a especialista. 

Antes de abrir a empresa, o empreendedor deve avaliar algumas questões em torno da atividade que pretende exercer: qual é o seu público-alvo e quais são as necessidades dele? Há bastante demanda do produto ou serviço em questão? Quais são os recursos necessários para que a empresa funcione? Se quero ser um fornecedor de produtos, como será feita a entrega e todas as questões logísticas? 

“Costumo dizer que abrir uma empresa é como construir uma casa: tudo tem que ser muito bem planejado antes de partir para a execução”, compara Ana Luiza. “Infelizmente, muita gente só começa a pensar nessas questões depois de abrir a empresa, com o CNPJ em mãos. Aí, as chances de ter problemas com o negócio são muito maiores”, avalia. 

Quais são as vantagens de ser um empreendedor formal? 

Muitos são os benefícios desfrutados pelo empreendedor que decide abrir um CNPJ e formalizar o seu negócio. Um deles é a melhora na relação com o público. “Ter um negócio formalizado confere credibilidade ao empreendedor, junto aos clientes e aos fornecedores”, explica Ana Luiza. 

Isso porque, quando não é formalizado, o empresário não consegue emitir nota fiscal, o que pode gerar desconfiança do público e ser um fator determinante para a desistência da compra - o que faz muito sentido. “A nota fiscal tem sido cada vez mais valorizada pelos consumidores, já que representa a garantia de que ele realizou a compra e pode procurar a empresa caso tenha qualquer problema”, acrescenta a especialista. 

Além disso, o empreendedor formal pode encontrar preços diferenciados e condições de pagamento especiais com os fornecedores. Como consequência, a empresa também tem melhores ofertas ao seu público e se torna mais competitiva no mercado.  

Para o MEI (Microempreendedor Individual), a formalização ainda dá direitos previdenciários. Com o CNPJ aberto e as obrigações fiscais em dia, o microempreendedor passa a ter cobertura previdenciária: aposentadoria por idade, auxílio-doença e aposentadoria por invalidez e, para os dependentes, pensão por morte e auxílio-reclusão. 

Decidi formalizar meu negócio. E agora? 

Aqueles que desejam aderir ao programa do MEI para começar o negócio, por exemplo, devem fazer um cadastro no Portal do Empreendedor. Para concluí-lo, será necessário informar dados como CPF, título de eleitor, CEP residencial, número de telefone ativo e dados sobre as últimas declarações do Imposto de Renda. Então, basta seguir os passos para concluir a formalização da atividade exercida. 

Um dos pontos que mais merecem a atenção do empreendedor são as obrigações fiscais da empresa. No caso do MEI, além de pagar a taxa mensal, o microempreendedor precisa entregar a Declaração Anual do Simples Nacional (DASN - SIMEI). 

É importante, também, manter o controle do faturamento e, caso tenha um funcionário, realizar os recolhimentos obrigatórios. O MEI não tem custo para os processos de abertura, alterações e encerramento da empresa, registro na junta comercial e emissão de alvará de funcionamento. 

Receba conteúdos exclusivos
Não perca nenhuma novidade, assine nossa newsletter.
Carregando...
  • 0 Likes
Flávia Marques

Escrito por Flávia Marques

Repórter do Portal Exponencial, jornalista e curiosa. Gosta de observar, absorver e, diariamente, dividir o que aprende escrevendo.

Comentários [0]

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Comentário enviado com sucesso!
Erro ao enviar comentário. Por favor, tente novamente.
Revolucionando o empréstimo no Brasil

Quem somos

As transformações do mundo exigem cada vez mais de nós. Mais funções, mais responsabilidades, mais conhecimento. Mais, mais e mais. Mas o que Creditas e Exponencial têm a ver com isso?

Somos movidos por fazer a diferença na vida das pessoas. Se vivemos o tempo das informações ilimitadas, é nossa função criar e filtrar diferentes conteúdos aos nossos leitores, para que o conhecimento financeiro deles cresça exponencialmente.

Exponencial. Informação é fonte de crescimento.

A Creditas é uma plataforma digital que atua como correspondente bancário para facilitar o processo de contratação de empréstimos. Como correspondente bancário, seguimos as diretrizes do Banco Central do Brasil, nos termos da Resolução nº. 3.954, de 24 de fevereiro de 2011.

Creditas Soluções Financeiras Ltda. é uma sociedade limitada registrada sob o CNPJ/MF 17.770.708/0001-24, com sede na Av. Engenheiro Luís Carlos Berrini, 105, 12º andar Itaim Bibi, São Paulo – SP, 04571-010